Startup brasileira apresenta projeto sustentável em Nova York e União Europeia

Acelerada pela Cervejaria Ambev, a Green Mining também foi escolhida pelo CIOESTE para participar de conferência internacional de cooperação urbana

O Brasil ainda está longe de se tornar um dos primeiros no ranking dos países mais sustentáveis — Suíça, França e Dinamarca lideram no quesito ações ambientais. Mas, uma startup brasileira acelerada pela Cervejaria Ambev tem ganhado olhares e admiração nacional e internacional, além de gerar resultados significativamente positivos ao meio ambiente. A Green Mining, que surgiu para solucionar um dos problemas quanto ao descarte de embalagens pós consumo, apresentou seu projeto de logística reversa em Nova York (Estados Unidos), Sardenha (Itália) e em Bruxelas (Bélgica), durante a Conferência Internacional de Cooperação Urbana (International Urban Cooperation — IUC), promovida pela União Europeia.

“Realizamos uma apresentação para cerca de 100 representantes de regiões da Europa e da América Latina, vindos de mais de 28 países diferentes. Para nós, é uma grande satisfação poder falar para pessoas de todo o mundo o que fazemos e o potencial que nossa solução tem para ser desenvolvida em larga escala” diz Rodrigo Oliveira, presidente da Green Mining que contou que, durante o evento IUC, na Bélgica, foi assinada uma carta de intenções com uma agência de desenvolvimento regional da Polônia, que já é a parceira do Consórcio Intermunicipal da Região Oeste Metropolitana de São Paulo (CIOESTE) no programa.

O projeto da startup consiste no processo de coleta de embalagens em bares e restaurantes feito de maneira ambientalmente correta, por meio de triciclos, sem emissão de gás carbônico. Em parceria com a Cervejaria Ambev, o vidro recolhido é levado direto à fábrica da própria cervejaria, devolvendo o material à cadeia produtiva da empresa. Atualmente, a Green Mining possui HUBs em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília e já encaminhou para reciclagem mais de 350 toneladas de vidro, evitando a emissão de mais de 58 toneladas de CO2 desde o início da ação, em dezembro do ano passado.
De acordo com o CEO do CIOESTE, Francisco Maciel, a escolha da Green Mining fez todo sentindo para alavancar com soluções na cooperativa da União Europeia. “Queremos alavancar pequenas e médias empresas que proporcionam o desenvolvimento econômico e sustentável, tudo o que encontramos na Green Mining”, afirma Francisco.

Em Nova York, o evento Super Demo Day ocorreu na sede global da AB InBev e proporcionou a apresentação de resultados da startup para investidores, organizações e associações de alto impacto. O evento marcou uma nova etapa da Aceleradora 100+, programa de aceleração de startups com soluções socioambientais da Cervejaria Ambev. A Green Mining participou da primeira edição do programa e, quando se inscreveu, estava começando a criar a sua tecnologia de logística reversa. A startup foi uma das selecionadas para a aceleração global e, desde então, tem participado de eventos e fechado diversos acordos e parcerias nacionais e internacionais. “Ver como a Green Mining cresceu e continua aumentando seu impacto positivo pelo mundo é sensacional. Esse é o nosso objetivo com a Aceleradora 100+: encontrar startups que compartilhem do nosso sonho de construir um mundo melhor”, celebra Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Cervejaria Ambev.

Já na Sardenha, Rodrigo Oliveira apresentou os resultados da Green Mining no 17º Simpósio Internacional de Gestão de Resíduos — um dos principais fóruns de resíduos sólidos da Europa.
“Tivemos a oportunidade de apresentar um estudo de caso de recolha de vidros em São Paulo. O simpósio reuniu profissionais de muitos países que ficaram bastante entusiasmados com os resultados obtidos até o momento”, conta Rodrigo.

A Green Mining já fechou 10 parcerias e acordos nacionais e internacionais e, este mês, venceu a maior competição de ideias em negócios verdes do país e em novembro, vai representar o Brasil na final global que acontece em Amsterdã. Segundo o presidente da startup, após estas apresentações, o projeto tende a crescer a nível mundial.

Como funciona o sistema de logística reversa da Green Mining
A eficiência dessa economia circular colocada em prática pela startup é baseada em um sistema de certificação que é feito em todas as fases do processo, garantindo que todo o material coletado chegue ao seu destino de maneira correta. “Todas as informações são registradas no aplicativo da Green Mining por cada coletor, que recebe um smartphone para realizar o trabalho. Com informações como data e local da coleta, quilos e destinação dos recicláveis, o sistema permite, também, rastrear o percurso de cada triciclo, garantindo a transparência da informação”, finaliza o presidente da Green Mining.

Deixe seu comentário