Tecnologia possibilita o desenvolvimento de suco de laranja com baixo teor calórico

Unicamp desenvolve tecnologia que diminui
açúcar em sucos naturais processados com “pescagem”
da sacarose por nanopartículas magnéticas

 

Ana Paula Palazi

 

O Brasil tem como meta reduzir o consumo de açúcar em alimentos industrializados na ordem de 144 mil toneladas até o final de 2022.O acordo entre o governo e a indústria é considerado como um dos caminhos para combater a obesidade da população, que leva ao desenvolvimento de doenças graves como o diabetes.

Os sucos naturais não entraram nessa lista, no entanto, podem ser uma alternativa ainda mais saudável com o valor calórico reduzido e uma vantagem competitiva para a indústria. Daí a importância de uma tecnologia desenvolvida na Unicamp que teve a estratégia de proteção, com pedido de patente depositado no INPI, feita pela Agência de Inovação Inova Unicamp.

O processo reduz o teor de sacarose em soluções aquosas e sucos naturais com uso da nanotecnologia e pode ser uma opção para aumentar a oferta de alimentos hipocalóricos para a população. A sacarose constitui o açúcar de mesa e está presente em diversos alimentos como as frutas. Na laranja, representa aproximadamente 60% das moléculas de açúcar que compõem o suco da fruta.

 

Alternativa ecológica ao plástico
Nova máquina KHS processa acessórios de papelão para latas

KHS

A embalagem é fácil de usar, o material ecológico e a máquina potente: a Innopack Kisters CNP (Carton Nature Packer) do Grupo KHS processa acessórios de papelão para latas com uma capacidade de até 108.000 recipientes por hora.

CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS

 

“O suco de laranja tem a frutose, a glicose, a sacarose, além de várias fibras, flavonas, água, vitamina C e vários outros compostos. Desenvolvemos um modo de buscar a sacarose, sem deixar vestígios ou interferir na composição e propriedades organolépticas do suco, como se fosse uma pesca”, diz Ljubica Tasic, professora e pesquisadora do Instituto da Química (IQ) da Unicamp.

A pesquisa partiu do suco de laranja motivada pela expressiva produção da fruta no país. O Brasil é o maior produtor e um dos principais fornecedores de suco de laranja para o mundo. O país concentra 35% da produção global de laranja e fabrica três de cada cinco copos da bebida consumidos em todo planeta, segundo dados do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus).

 

As nanopartículas são recuperadas com a ajuda de um imã e podem ser reutilizadas por dez ciclos sem perda de ação. (Crédito: Ljubica Tasic)

 

A isca para atrair a sacarose

O método para produção de sucos hipocalóricos inclui a preparação de uma isca projetada para remover a sacarose pela modificação da superfície de um magneto. A equipe de pesquisa – formada integralmente por mulheres – desenhou e sintetizou nanopartículas de magnetita. Em seguida, esse óxido de ferro nanoestruturado foi revestido com um material inerte e funcionalizado com a enzima invertase, responsável pela aceleração da reação química para quebra das moléculas de açúcar.

“A invertase é isolada de um fermento biológico e tem uma interação altamente específica, perfeita para isolar as moléculas alvo, pois não interage com outros componentes presentes em uma suspensão tão complexa como o suco de laranja, diferente de outros métodos de obtenção de sucos de baixa caloria que usam coluna e filtração”, explica.

Dessa forma, foi possível isolar a sacarose sem alterar as propriedades tão apreciadas no suco de laranja, como o aroma, a cor, a textura e o sabor. Além de reduzir etapas industriais que poderiam eliminar aspectos nutricionais e sensoriais desejáveis nos sucos, como as fibras e os gruminhos de laranja. Para separar as nanopartículas da sacarose após o processo de “pescagem” foi usado um imã.

A separação magnética é utilizada em outros setores da indústria de alimentos e bebidas. Na produção de vinhos, auxilia na remoção de proteínas de turbidez. Outros exemplos são a clarificação de sucos de frutas e a remoção de soro de leite. O uso das nanopartículas – que são menores do que as microesferas geralmente aplicadas – é visto de forma promissora devido à maior área de contato em relação ao volume.

As nanopartículas de óxido de ferro já são permitidas para uso como corante e aditivos alimentares, e foram aprovadas pela FDA (agência americana de regulação de alimentos e drogas) para uso em seres vivos. Na indústria farmacêutica são aplicadas em testes de PCR para purificação das amostras e detecção do RNA viral.

Reaproveitando o açúcar do suco de laranja

O processo desenvolvido com a invenção “oferece enorme potencial do ponto de vista científico e econômico”, diz o texto encaminhado pela Agência de Inovação Inova Unicamp com o pedido de proteção da tecnologia. Nos ensaios feitos no Laboratório de Química Biológica, do Instituto de Química (IQ) da Unicamp, o nanomaterial foi reutilizado por dez rodadas consecutivas sem perda da capacidade de captura da sacarose e da atividade da invertase.

A captura também ocorreu sem a ocorrência de hidrólise (reação química que promove a quebra da ligação da sacarose em unidades menores). “Descobrimos que a invertase, no pH baixo do suco de laranja, é inativa para outras moléculas e não conduz à catálise o que permite recuperar o açúcar de duas formas”, conta Tasic. O estudo foi publicado na Royal Society Chemistry.

A sacarose retirada do suco de laranja pode ser aproveitada como açúcar tradicional de mesa ou açúcar invertido (conhecido também como mel de açúcar), agregando valor à produção e com possibilidade de redução das áreas cultivadas. A próxima fase é escalar os testes para uma planta industrial. Para isso, a Inova Unicamp busca parcerias com empresas.

Ana Paula Palazi
Inova Unicamp

Siga-nos nas Redes Sociais:

Linkedin Instagram Youtube Facebook 

 

Deixe seu comentário