O que eles querem beber

Bebidas com característica funcionais e sabores alternativos
ganham destaque no setor de sucos, assim como embalagens on the go

CARLOS DONIZETE PARRA

Consumidores de todo o mundo procuram por bebidas mais saudáveis, envasadas em embalagens práticas e que tragam no contexto geral um benefício maior do que o preço final.

O mercado de sucos no Brasil tem crescido nos últimos anos mesmo com a crise impiedosa que estamos atravessando há quase três anos.

Empresários do setor investem em tecnologias modernas de produção e envase com o objetivo de fornecer um produto saboroso, saudável e com preço competitivo.

No Brasil, o suco enfrenta uma forte concorrência de outras bebidas que também são consumidas pela população para “matar” a sede, acompanhar ou substituir uma refeição, e para diversas outras ocasiões de consumo em nosso dia a dia.

A água mineral e a água não engarrafada (de torneira) talvez sejam hoje os principais competidores do suco, além dos refrigerantes e das bebidas lácteas. Em diferentes partes do mundo cada bebida dessas está mais ou menos presente na mesa do consumidor de acordo com seus hábitos de consumo.

Recente estudo mundial desenvolvido pela Tetra Pak chamado de “Uma Visão Global – Insights e Oportunidades associadas ao suco 100%” mostra que o produto que mais substitui o suco no mundo é, realmente, a água (57%). Em seguida vem o chá (36%) e logo depois o café (30%). Leite e iogurte líquido são alternativas fortes no Brasil, na China e na Rússia.

O estudo desenvolvido pela Tetra Pak foca no suco 100%, produto definido como aquele que contém apenas os ingredientes naturais da fruta e das verduras: suco ou concentrado, água, aromas naturais e polpa de frutas. A pesquisa realizada com milhares de consumidores ao redor do mundo apresenta dados importantes sobre como consomem e o que esperam esses consumidores do suco 100%.

Saúde como pilar principal

O suco de frutas está diretamente associados às questões de saúde, qualidade de vida e bem estar. Empresas e marcas de bebidas buscam claramente um posicionamento que os coloquem em linha com esse estilo de vida reconhecido pelos consumidores.

A saúde é entendida como importante em todas as gerações e classes sociais, sendo a principal tendência global no setor de alimentos no mundo todo.
Cinco outras principais tendências apontadas pelo estudo que interferem diretamente no consumo de sucos e outras bebidas são:

1. Simplificar a vida – Os consumidores têm uma vida cada vez mais corrida, colocando sob pressão padrões tradicionais de consumo. Globalmente, 73% lancha fora dos horários de refeições, algumas vezes substituindo a refeição, principalmente o café da manhã. Nesse caso um desafio mas também uma grande oportunidade para o suco. Na maioria dos lares brasileiros o suco não faz parte, ainda, dessa refeição. Mas, em muitos casos o consumo “on the go” ganha mais e mais adeptos impulsionados pela falta de tempo para uma refeição mais demorada. Nesse caso, a embalagem aparece como ferramenta fundamental. Precisa ter fácil abertura, fácil de beber, na porção adequada, boa de pega, design que proporcione facilidade de transporte e para guardar, entre outros aspectos importante como sustentabilidade etc.

O estudo também mostra que há oportunidades durante os lanches e em casos em que os consumidores optem por uma refeição mais balanceada.

2.  Conexão humana – A vida digital conectou as pessoas em todas as partes do planeta. Através da internet e das redes sociais, as pessoas mostram suas opiniões sobre produtos e serviços. O consumidor atual está procurando significado e personalidade: histórias e procedências nunca foram tão importantes. As marcas precisam interagir com as pessoas de forma humana e amigável.

3. O caçador de experiências – Os consumidores não buscam somente produtos, mas também novas experiências. Querem ter surpresas, entretenimento e emoção.

Novas tecnologias como o QR code e técnica de realidade aumentada nas embalagens podem ser um interlocutor importante entre consumidores e produtos.

4. Fraqueza – Atualmente, a confiança do consumidor não pode ser dada como certa, tem que ser conquistada. A honestidade está tomando parte da história contada. Os consumidores estão mais céticos quanto a conselhos de profissionais de saúde, pois parecem sempre mudar de opinião. Cada vez mais estão se tornando seus próprios especialistas e buscando mais informações na internet.
As marcas devem fazer parte dessa conversa ajudando os consumidores a elucidarem suas dúvidas ao mesmo tempo que aumentam essa conexão com eles.

5. Eu e meu planeta – A globalização e preocupações com o meio ambiente têm gerado uma maior sensibilidade ecológica entre os consumidores, que também estão cientes de que um planeta mais saudável significa um”eu” mais saudável. Os consumidores querem um produto ecológico em seu conteúdo interno (orgânico, sem aditivos) e externo (baixa pegada de carbono, recicláveis, com embalagem renovável etc).

Potencial de crescimento

Apesar da estagnação em alguns mercados já tradicionais, o suco 100% apresenta previsão de crescimento global até 2018. Os mercados emergentes devem puxar esse crescimento nos próximos anos. A América Latina tem bom desempenho e o Brasil aparece como força principal em que pese todos os problemas políticos, sociais e econômicos que estamos atravessando.

Segundo o estudo desenvolvido pela Tetra Pak, Índia, Indonésia, Malásia e Chile também são centros de crescimento. Perspectivas positivas também para a China que já faz parte dos dez maiores mercados globais de suco 100% desde 2015. O Brasil deverá entrar nesse grupo até 2018 se as previsões de consumo forem concretizadas.

Desse grupo de dez maiores países consumidores de suco no mundo, a China (8º lugar) foi a única que apresentou crescimento com taxas ao redor de 11% ao ano entre 2012 e 2015, com um consumo de 545 milhões de litros em 2015. Apesar disso, o consumo dos chineses ainda é de 8% do volume de sucos consumido pelos Estados Unidos, demonstrando o tamanho e a importância que esse mercado representa para o setor mundial de sucos. O consumo per capita dos americanos em 2015 foi de 20,9 litros ao ano, o quarto maior volume do mundo, ficando atrás somente do Canadá (30,1 litros por pessoa/ano), Noruega (25,4) e Alemanha ( 21,7). O consumo total em volume de suco 100% em 2015 nos Estados Unidos foi de 6,7 bilhões de litros.

Sabores em alta

A laranja continua sendo o sabor predominante com 6,9 bilhões de litros vendidos em 2015 e uma participação de 46% do mercado de suco 100%.
O suco de maçã vem em seguida com 17% das vendas, mas ambos estão em queda. O mix de frutas e o mix de verduras aparecem, respectivamente, como terceiro e quarto no ranking de consumo.

Ainda, segundo o estudo, cranberry e manga estão em alta, embora com base em um volume menor. No entanto, são ultrapassados pela água de coco, que explodiu, deixando de atender a um nicho de mercado e passando a ser produto principal do mercado em apenas alguns anos.

Oportunidades

Com base no consumo já estabelecido e nas tendências de comportamento do consumidor atual, o referido estudo aponta três principais oportunidades dentro do mercado de sucos 100%: suco 100% especializado, totalmente natural e nutrição a partir de verduras.

1. Suco 100% especializado – Os consumidores estão buscando produtos funcionais que ofereçam claros benefícios à saúde, inclusive com redução dos riscos à saúde e às doenças.

Os produtos funcionais apresentaram uma alta de lançamentos de 31% entre 2012 e 2015, segundo da Tetra Pak, dedicando-se a uma ampla variedade de áreas, como: imunidade (22%), saúde do coração ( 12%), digestão (11%), saúde óssea ( 8%),saúde cerebral (6%) e benefícios de beleza ( 4%).

Entre os benefícios “positivos”, a categoria “fortificada com vitaminas/minerais” foi líder absoluta com 6%, enquanto que todo o lado negativo obteve um crescimento muito mais acentuado com um aumento de 42% para produtos com baixo teor de açúcar / açúcar reduzido, dominando com 79%.

2. Totalmente natural – Uma clara mudança do consumidor voltada para o consumo de produtos naturais faz crescer as vendas do suco 100% em detrimento do suco reconstituído. Outra forte constatação é que os consumidores estão rejeitando cada vez mais produtos com alto teor de sal, gordura, lactose, açúcar, cafeína e glúten.

3. Nutrição a partir de verduras – As bebidas contendo verduras já há tempos possuem presença marcante em alguns países, especialmente, o Japão. No Brasil esses lançamentos aumentaram consideravelmente nos últimos anos. Nos mercados tradicionais também se vê o aumento dessas verduras misturadas a outros sucos propiciando a redução natural de açúcar e acrescentando ainda mais benefícios à saúde.

Consequentemente, bebidas com tomate e mixes de verduras estão agora mundialmente entre os dez sabores principais ganhando participação no mercado tradicional de frutas.

Deixe seu comentário