A singularidade dos destilados

goodwp.com_28017

Métodos de elaboração criteriosos e embalagens marcantes conferem aos destilados atributos fundamentais de diferenciação

Por Carlos Donizete Parra

Conceber um produto exclusivo com características únicas no mercado é o desafio de empresas no mundo todo. E num mercado competitivo como esse, as marcas vitoriosas são aquelas que satisfazem os desejos dos consumidores.
É lógico que em pouco tempo, o produto exclusivo pode ser copiado e perder esse algo mais. Mas, em certos casos é tempo suficiente para a empresa largar na frente e conquistar um market share difícil de ser superado pelos concorrentes.
Remy-Martin-Louis-XIII-Le-Jeroboam-3A customização não é um movimento novo, o ser humano sempre foi capaz de dar um toque pessoal aos seus produtos. A indústria tenta dar esse toque diferenciado aos produtos e, desta forma, ficar mais próxima de seu público.
No caso das bebidas, o movimento das cervejas artesanais que iniciou há muitos anos no Brasil, mas só de uns dois ou três anos para cá é que realmente ganhou força é um exemplo dessa vontade de consumir produtos exclusivos ou pelo menos com uma edição limitada. Os lotes são menores e a variedade disponível é maior.
No mundo dos destilados, a exclusividade não é uma novidade, mas poucos conseguem com tamanha propriedade como Louis XIII. Criado em 1874 pela Maison Rémy Martin, Louis XIII nasceu na região da Grande Champagne, a mais privilegiada das seis regiões de cultivo de uvas da cidade de Cognac, na França, e seu amadurecimento é feito em barris centenários, chamados tierçons. Quatro gerações de “cellar masters” têm a dura missão de manter o sofisticado sabor e prestígio do cognac mundo afora.
A Rémy Martin utiliza muito bem dessa estratégia de exclusividade lançando no mercado edições limitadas que são verdadeiras preciosidades. Chegou, recentemente, ao Brasil, o Black Pearl, uma edição limitada do Louis XIII, especialmente para comemorar os 140 anos do produto.
O design do Black Pearl foi inspirado na beleza e na singularidade de uma pérola negra. A garrafa é produzida com cristal francês Baccarat, e foi desenvolvida com uma nova técnica, com carbono, titânio e ouro, para obter a cobertura perolada.Splash of cognac in glass isolated on white background
O cognac é proveniente de uma adega particular de André Héniard Dubrenil, proprietário da Rémy Martin, situada em Domaine de Merpins. Sua produção segue os mesmos padrões de qualidade do cognac Louis XIII, sempre em barris centenários e acompanhados pelos “masters cellars” da casa.
No Brasil, o Black Pearl está disponível, com exclusividade, no Bar Skye e The Wall, no Hotel Unique, e é servido em doses pelo valor de R$ 3.450,00 e meias-doses por R$ 1.150,00.

Mercado de luxo

Uma parcela muito pequena da população brasileira tem condições financeiras para consumir uma bebida com esse preço. No entanto, esse mercado de luxo composto por roupas, jóias, perfumes, relógios e tantos outros produtos com preços altíssimos só cresce no mundo todo.
O mercado de luxo deve movimentar mais de 1 trilhão de euros até 2021, segundo estudo realizado pela Boston Consulting Group (BCG) e pela Fundação Alta Gamma.
Nesses números impressionantes, e que não param de crescer, independente de situações de crise vividas por este ou aquele país, o Brasil, também dá a sua contribuição. Os brasileiros, juntamente com chineses e americanos, estão entre os principais consumidores de produtos de luxo em 2015.
O mundo tem hoje cerca de 390 milhões de consumidores de luxo e até 2021 esse número deve chegar a 465 milhões de consumidores. Para estratificar esse batalhão de consumidores especialíssimos, o estudo da BCG / AltaGamma mapeou oito perfis globais de consumidores divididos por faixa etária, valor gasto com luxo, país de origem etc.
Entre os perfis estão o “absolute luxurer”, o “megacitier”, o “experincer”, o “social wearers”, o “status Seekers”, o bling ring”, o “little princess”.
O “absolute luxurer” é o cidadão que nasceu e viveu o tempo todo dentro desse mundo e isso já faz parte da sua vida.Tem entre 35 e 45 anos e seu gasto por ano está na faixa de 30 mil euros.
VR-1207-044_2Os “megacitiers” são mais jovens, entre 30 e 35 anos, e gastam cerca de 17 mil euros com produtos e serviços de luxo. Com gasto de aproximadamente 13 mil euros por ano estão os “experienceres”, uma faixa de consumidores com idade entre 45 e 50 anos e que por serem mais maduros têm entre seus luxos, principalmente, gastos com férias, restaurantes, vinhos e hotéis de luxo.
De olho nesses brasileiros endinheirados,marcas e grifes famosas no mercado internacional, desembarcam no País para “aprender” um pouco mais sobre esse pessoal. E aí vale vender de tudo, desde acessórios a jóias, passando por roupas, perfumes, bebidas, eletrônicos, bolsas, sapatos, até chegar em viagens exclusivas, hospedagens em Spas em que uma semana não sai por menos que R$ 55.000,00.
Detalhe importante: carros e helicópteros não estão contabilizados nos números desse estudo. Mas, com certeza, fazem parte desse seleto grupo de consumidores. Só no Brasil, o número de milionários aumentou 65% entre 2003 e 2013, segundo dados da Receita Federal. Não é à toa que empresas como Audi, BMW, Mercedes e Land Rover direcionam suas operações e ações de marketing cada vez mais para o mercado nacional.
Como nos outros produtos, as indústrias de carros identificaram uma forte demanda por produtos diferenciados e que, em alguns casos, não possuem similar no mercado brasileiro. Bom para a indústria, melhor anda para quem pode participar desse grupo restrito de consumidores sortudos.

Embalagem como uma estrela

Outra estratégia muito eficiente como diferenciação de produto é a embalagem. Através dela, o consumidor de destilados, por exemplo, pode ter acesso às novas experiências de consumo proporcionadas por importantes marcas do mercado.
O consumidor, cada vez mais, busca por produtos que possam proporcionar uma experiência única de consumo, mesmo que para isso tenha que desembolsar um valor mais alto.
Na indústria de destilados, o vidro é a estrela. Designs, cores e formas inusitadas estão à disposição das equipes de criação e desenvolvimento de embalagens. Isso sem falar na possibilidade de decorações especiais para edições limitadas como aplicações de metais preciosos, texturização, pinturas especiais e diversas alternativas capazes de atrair o consumidor.
Soma-se a esses atributos a sustentabilidade o que torna o vidro extremamente competitivo no setor de destilados. A sustentabilidade é um fator importante na decisão de compra dos consumidores, principalmente em produtos de maior valor agregado.

vodkas_stoliskoffStoliskoff com design arrojado

Utilizando a embalagem como principal artifício para se diferenciar no mercado de destilados, a Vodka Stoliskoff, da destilaria Dialcool, apresentou ao mercado uma nova garrafa com design arrojado e inovador.
A Stoliskoff é produzida com cereais selecionados, tendo o arroz como matéria-prima. Em seu processo de produção, a vodka é destilada cinco vezes, antes de ser envasada. Primando pela qualidade de seus produtos, a empresa montou uma destilaria exclusiva para o acompanhamento desse processo, dessa forma garante a eliminação de qualquer resíduo que não seja álcool etílico potável.
A nova embalagem da Vodka Stoliskoff utiliza garrafas Covet – linha exclusiva da O-I desenvolvida com o objetivo de atender às empresas que desejam se beneficiar das oportunidades que o crescente mercado de luxo oferece. Com design diferenciado, Covet traz os melhores atributos da Owens-Illinois, que produz garrafas com grande potencial de se tornarem icônicas e contribuir para que seus clientes possam se diferenciar nos mercados onde estão presentes.
“Com essa nova embalagem procuramos atingir um público mais seleto que prima pela qualidade e status do produto. Acreditamos que a embalagem represente a maior parte do visual do produto, atrelada à sua qualidade e ao valor percebido”, afirma Leandra Ferrari, diretora da Dialcool.
A Vodka Stoliskoff está há quatro anos no mercado e disponibiliza seus produtos em três versões diferentes. Vodka Noir, com graduação alcóolica mais alta, é indicada para incrementar drinks, Vodka Coquetel de Chocolate Branco, com graduação menor e saborizada, é ideal para tomar gelada, e a Tradicional, pura e de alta qualidade.

Sabores inusitados

Desde destilados mais populares como a cachaça aos mais sofisticados como o whisky, consumidores buscam por sabores diferentes que possam propiciar experiências inusitadas.
A cachaça tem a seu favor a possibilidade de poder ser envelhecida em uma grande quantidade de tipos de madeira que definirão características sensoriais diferenciadas e prazerosas aos seus consumidores.
Sua utilização em variados tipos de coquetéis também aumenta sua versatilidade no mercado de destilados.

Glenfiddich 21 Year OldTradição e qualidade

Na categoria de whiskies, Glenfiddich, um single malt premiadíssimo no mundo todo, apresenta sua versão 21 anos, com qualidade superior dentro e fora da garrafa. Com método de elaboração inovador, este whisky escocês é amadurecido em barris de rum caribenho e apresenta o caráter original desta madeira tanto no aroma como no paladar. O Glenfiddich 21 anos possui notas delicadas de baunilha e caramelo e ao mesmo tempo de couro, especiarias, gengibre e banana.
Já o design da garrafa e da embalagem refletem o inusitado sabor e procedência deste premiado single malt. A caixa premium contém papel texturizado na cor vinho, um pedestal removível e detalhes em filigrana. Além disso, acompanha um livreto, com a história e o patrimônio por traz do Glenfiddich 21 anos.
Brian Kinsman é o Mestre do Malte da destilaria Glenfiddich e para ele este é um dos whiskies mais especiais que a companhia já elaborou: “Após amadurecer pacientemente por 21 anos em barricas de carvalho americano, o precioso líquido foi então decantado em barris especialmente selecionados de rum Caribenho, para a sua maturação final. É sem dúvida uma jóia para os mais prestigiados paladares.”

Deixe seu comentário