A ordem é diversificar

Festa 3O mercado de bebidas energéticas ainda está engatinhando no Brasil, mas já atingiu um segundo estágio onde os fabricantes devem investir em sabores inusitados e criar bebidas para situações diferentes de consumo

Por Carlos Donizete Parra

O mercado de energético está longe de atingir sua maturidade. Nos últimos 10 anos, o crescimento médio no Brasil foi de 26,9% ao ano. Para os próximos cinco anos, esse crescimento médio deve ser de 16,9%. Atualmente, o mercado brasileiro tem um potencial de consumo de 134 milhões de litros ao ano.

No ranking mundial de consumo de energéticos estão países como Reino Unido (6,4 litros per capita ao ano), Áustria (5,6 litros), EUA (4,5 litros), Nova Zelândia (4,3 litros). No Brasil, o consumo de energéticos ainda é de 0,457 litro (dados de 2012).

O lançamento de novos sabores tem o objetivo de ampliar as vendas e impactar os consumidores, especialmente os jovens, durante sua rotina nas faculdades, trabalho, prática de esportes e nos principais momentos de lazer. A proposta é oferecer sabores diferentes de energéticos, para situações diversas.

Nos EUA, um dos maiores mercados para bebida energética, as principais marcas possuem mais de 20 opções de sabor. No Brasil, apenas 1% de todo o volume comercializado de bebida energética é do produto saborizado.

Por estas razões, o potencial de consumo de energéticos ainda é bastante elevado no Brasil, apesar das altas taxas alcançadas, cerca de 330% nos últimos cinco anos. Mesmo sendo baixo para os padrões mundiais, o consumo per capita é o mais alto da América Latina.

De olho nessa oportunidade de mercado diversas empresas de bebidas investiram no lançamento de novos produtos. Para diversificar e conquistar novos consumidores, as indústrias começam a investir em novos sabores e embalagens diferenciadas. Em mercados onde o energético já atingiu taxas mais elevadas de vendas, as opções para o consumidor aumentam, como o lançamento de produtos que contém 50% de suco de frutas e em novos sabores como “frutas cítricas” e “frutos silvestres”. No Brasil, a venda em embalagens de PET em formatos acima de 1000ml também fez aumentar o volume comercializado, no entanto, esses produtos têm preço mais baixo. A ideia, com isso, é atingir uma outra faixa de consumidores e popularizar o produto no mercado.

O gasto per capita com energético quintuplicou, passando de US$ 1,8 em 2008 para US$ 5,3 em 2012. No entanto, o preço médio pago por litro ainda é alto no Brasil (US$ 10,2), em comparação com o México (US$ 5,3), Colômbia (US$ 4,5) e Chile (US$ 9,8).

Mesmo depois do crescimento alcançado nos últimos anos, o setor de bebidas energéticas no Brasil ainda está dando seus primeiros passos e, de acordo com previsões do GMN Mintel, o mercado possui grande potencial de crescimento, com uma CAGR (Compound Annual Growth Rates) volume de 13% estimado para os próximos 5 anos.

Festa 2Conceito de música e curtição

Para atrair a atenção dos jovens de forma descontraída, e de quebra, reforçar sua marca como um produto que mantém a mesma linguagem de seu público, a Ecco! Energy Drink trouxe às ruas de 11 importantes cidades do Brasil uma cabine de música móvel totalmente personalizada. A ideia é relacionar a marca de energético a momentos de curtição típicos de baladas, mostrando que qualquer ambiente onde os jovens estejam pode se transformar em uma verdadeira festa.

Criada e executada pela Mídia em Foco – Inteligência Out Of Home, a campanha transformou um simples caminhão baú em uma pickup de DJ completa, com sonorização, iluminação e efeitos visuais, além do DJ Ecco tocando uma playlist personalizada para cada região. A expectativa é que mais de um milhão de pessoas sejam impactadas direta ou indiretamente pela ação.

TNT Maçã Verde (1)Maçã verde

De olho nesse mercado, as indústrias de bebidas investem no lançamento de novos produtos. A estratégia é aumentar a visibilidade e crescer horizontalmente dentro do segmento. Seguindo essa estratégia, o Grupo Petrópolis lançou, recentemente, o TNT Maçã Verde. O produto pode ser encontrado em embalagem de 269ml na cor verde. A empresa também pretende aumentar as vendas do TNT no exterior, a versão tradicional já está no mercado alemão desde 2013.

O TNT Energy Drink, lançado pelo Grupo Petrópolis em 2009, é comercializado em 22 estados também nas versões tradicional e zero açúcar, bullets (shots) e cápsulas.

Deixe seu comentário