Digitalização sem fronteiras

Uma nova era industrial começa a formatar
o futuro das empresas de bebidas

| CARLOS DONIZETE PARRA |

A Indústria 4.0 começa a construir um novo mundo e a transformar o futuro das pessoas. A internet aproximou as pessoas e mudou a maneira como nos comunicamos e até como consumimos produtos e serviços. A internet industrial já faz parte do cotidiano das empresas, especialmente nos países mais desenvolvidos. No Brasil ainda estamos defasados, mas caminhando para efetuar as mudanças necessárias em todos os setores da sociedade: industrial, saúde, educação, transportes, energético e outros.

Lançada em 2011, na Alemanha, durante a Feira de Hannover, a Indústria 4.0 apresenta um novo paradigma em relação à maneira como as indústrias operam atualmente. Nesse novo conceito, os processos produtivos são descentralizados e surge a possibilidade de conectar aparelhos móveis via instalação de sensores, softwares, máquinas e pessoas, ou seja, a tão propagada IoT (Internet das Coisas).

Isso acontece graças a digitalização das informações. É possível digitalizar todos os dados armazenados e coletados em uma empresa transformando esse material em informações de altíssimo valor para a tomada de decisão.

O novo ambiente produtivo promete ser,então, flexível e adaptável às demandas de customização e personalização do exigente consumidor atual. Muitas das novas soluções para a indústria de bebidas ainda deverão ser criadas, o que significa enormes oportunidades para as empresas e para novos empreendedores.Ainda será preciso muito investimento, inovação e desenvolvimento de produtos para essa nova indústria.

A Indústria 4.0 traz uma série de novas ferramentas que começamos agora a ter contato, entre elas o Big Data, Learning machine, chat bots, Inteligência artificial, cloud, analytics, drones e outros. Para quem já conhece os termos vale a pena investir mais tempo neles. Já para quem não conhece, é melhor correr e buscar conhecimento para toda a equipe.

IoT nos vinhos O setor vitivinicola mundial ganha um aliado muito importante para o aumento da produtividade e crescimento dos negócios: a digitalização.

As empresas precisam ser mais produtivas e responder às demandas dos consumidores atuais. Isso significa complexidade e cutomização dos produtos, além da constante necessidade de redução de custos dentro das fábricas.

Nesse sentido, algumas ferramentas da Indústria 4.0 tornam-se fundamentais.

A IoT, Internet das Coisas, deve conectar mais de 34 bilhões de objetos até 2020 e contribuirá significativamente para agilizar processos produtivos. A IoT traz com ela outra ferramenta cada vez mais conhecida: o big data, que viabiliza tomada de decisão mais eficiente, rápida e segura. Juntas elas são poderosas e capazes de transformar negócios paquidérmicos em empresas ágeis e extremamente versáteis.

Alguns exemplos da utilização dessas tecnologias no mundo dos vinhos já podem ser vistos.

A Vinícola canadense Henry of Pelham busca uma safra perfeita ao instalar em suas videiras sensores fabricados pela Bell Canadá, pertencente a chinesa Huawei Technologies e BeWhere. Os sensores podem coletar informações sobre temperatura, níveis de água e umidade possibilitando o controle e tomada de decisões que podem melhorar as operações do vinhedo, detectando inclusive possíveis doenças e pragas que facilmente atingem as plantações nessa fase.

Outro aspecto a ser considerado é relativo a sustentabilidade. A coleta de informações pode contribuir para redução do consumo de água, adubo e agrotóxicos, estimulando práticas de cultivo sustentáveis e uma melhor rentabilidade para os negócios. A tecnologia instalada pela vinícola canadense inclui, ainda, rede sem fio de amplo alcance, uma solução importante para um problema comum em ambientes rurais.

Robôs invadem as vinícolas Um dos Grupos Vinícolas mais tradicionais do mundo, a família Rotschild, proprietário do Château Mouton-Rotschild e do Châteu Clerc Milon, começa a investir em robôs em suas propriedades e deve puxar a fila para essa nova tendência que chega em Bordeaux. O Château Milon está colocando robôs para retirar ervas daninhas de seus vinhedos, em um experimento em conjunto com a Naio Technologies.

No Brasil, a Vinícola Aurora implantou, recentemente, dois robôs no recebimento das uvas, um na matriz e outro na unidade do Vale dos Vinhedos, ao lado da qual será lançada a pedra fundamental da construção da nova fábrica, com início de atividades previsto para 2019. Produzidos na Alemanha, os dois robôs, poderão descarregar até 1,2 toneladas de uvas em 60 segundos.

Agroindústria Outra solução tecnológica que ganha destaque nos vinhedos são os drones. Seja para automatizar operações ou para coletar informações, o drone promete ser uma ferramenta a se popularizar nesse setor.

Na região de Varginha (MG), a cooperativa de cafeicultores Minasul está testando sistemas digitais como rastreabilidade de máquinas, estações meteorológicas e drones para elevar a produtividade. Segundo o diretor de novos negócios e tecnologia da cooperativa, a expectativa é um ganho de produtividade de 20% já na próxima safra.

Em Pradópolis (SP), uma usina de cana está implantando a rede 4G com investimento de R$ 40 milhões. O planejamento previa conectar, até o fim de 2017, 108 máquinas agrícolas.

Deixe seu comentário