Aqui nascem as cervejas da Ambev

Maior fabricante de cervejas do mundo, a Ambev investiu R$ 180 milhões na construção
do Centro de Inovação e Tecnologia,localizado no Parque Tecnológico da UFRJ, no Rio de Janeiro.
O centro é um dos seis do Grupo ABI Inbev no mundo e tem como objetivos fomentar a inovação
através da criação e desenvolvimento de novas receitas, embalagens e outras bebidas.
Daniel Baumann, diretor do CIT é o entrevistado desta edição e fala sobre o Centro,
inovação e, claro, cervejas. Acompanhe.

Carlos Donizete Parra

 

O CIT permite a simulação de novas tecnologias antes que sejam testadas em escala maior

Quais os objetivos principais do Centro de Inovação e Tecnologia da Ambev?

Antes de tudo, o CIT é a concretização de um sonho. Localizado no Parque Tecnológico da UFRJ, o Centro de Inovação e Tecnologia Cervejeira da Ambev tem como missão desenvolver tecnologia, contribuindo para o futuro da cerveja e de produtos que serão os desejos dos consumidores no Brasil. O Centro, que é um dos seis do grupo ABI Inbev no mundo, trabalha para criar novas cervejas, receitas, embalagens e outras bebidas. Enfim, é um local com foco na inovação, que visa colaborar para que novos sabores, aromas e estilos cheguem até as mesas dos fãs da bebida em todo o país.

Quanto foi investido?

Ao todo foram investidos R$180 milhões na construção do CIT, em uma área de mais de 15 mil metros quadrados.

O trabalho do CIT é integrado e em conjunto entre os mestre-cervejeiros do Centro e das cervejarias da Ambev em todo o Brasil

Como é feita a integração do CIT com as cervejarias da Ambev Brasil?

Aqui no CIT fazemos cerca de 8 inovações todos os meses, entre novas cervejas e outras bebidas alcoólicas e não-alcoólicas, embalagens, rótulos, tudo para levar a melhor experiência cervejeira ao nosso consumidor. É um trabalho integrado e em conjunto entre os mestres-cervejeiros daqui e das nossas demais cervejarias. Aqui em nosso Centro de Inovações temos a possibilidade de simular novas tecnologias antes que sejam testadas em escala maior, além de conseguirmos desenvolver e aperfeiçoar receitas antes de seus lançamentos. Em resumo, existe uma grande integração em tudo que fazemos. A cerveja nasce no CIT e posteriormente implantamos nas nossas cervejarias.

Quais as principais linhas de pesquisa do CIT?

No Centro de Inovação pesquisamos tudo que possa cada vez mais melhorar a qualidade dos nossos produtos, seja qualidade intrínseca ou qualidade da embalagem. Pesquisamos também tecnologias que contribuem no processo de produção de uma cerveja, como por exemplo a tecnologia patenteada utilizada na Skol Puro Malte, que permite que ofereçamos um produto com maior frescor.

A instalação de dois mil painéis solares no telhado do CIT pode gerar energia suficiente para 100% das operações durante o período do dia

Por que a Ambev demorou tanto para lançar cervejas especiais como a Skol Hops e Skol Puro Malte?

Não acreditamos que demoramos. Nossa história cervejeira possui mais de 700 anos e estamos sempre buscando atender os gostos e os interesses do consumidor. E o que temos acompanhado é que, a cada dia, este interesse é mais diversificado e dinâmico. Por exemplo, em relação às cervejas chamadas artesanais, temos em nosso portfólio rótulos como Colorado e Wäls, premiados em concursos e festivais no mundo todo. Quando falamos de puro malte, oferecemos a Serramalte, cerveja criada em 1957 e, por todos esses anos, sucesso em todo o país. Mas, para complementar ainda mais este já diversificado portfólio, crescemos nossa família Skol no momento certo, levando mais duas opções para os fãs da marca, seja com a Skol Puro Malte, a união perfeita entre puro malte e leveza, e a Skol Hops, com seus lúpulos aromáticos.

A receita da Skol Puro Malte é resultado de pesquisas realizadas no CIT

Os lançamentos da Colorado e da Wäls passam pelo CIT?

Ainda não tivemos nenhum rótulo de Colorado e Wäls nascidos no CIT. Mas não há nada que impeça. Nossos mestres-cervejeiros estão trabalhando e criando de forma cada vez mais integrada e, claro, as tendências e os desafios são compartilhados com frequência, a ponto de termos em breve alguma nova cerveja dessas marcas criadas no CIT.

Quais as principais inovações tecnológicas do novo CIT? E na área de sustentabilidade?

Além da SKOL HOPS, que citamos acima, a própria receita da Skol Puro Malte é resultado de pesquisas realizadas em nosso Centro de Inovação e Tecnologia (CIT). Outra inovação que também nasceu no CIT é a recém-lançada versão em lata da Cerveja Original. A versão passa a ser uma alternativa para o consumidor que sempre pede Original em garrafa no bar, mas quer a versatilidade da lata.
Em termos de sustentabilidade, nos orgulhamos e podemos citar a recém-finalizada instalação de dois mil painéis solares em nosso telhado. A iniciativa pode gerar até 720 kWp, volume suficiente para abastecer 100% das operações da unidade durante o período do dia com maior irradiação solar. Para este projeto a Ambev investiu R$ 2,5 milhões, montante que faz parte do compromisso da cervejaria de ter 100% da eletricidade proveniente de fontes renováveis até 2025.

Cerca de 80 pessoas, incluindo 10 mestres-cervejeiros, trabalham diretamente na criação e desenvolvimento de novas bebidas no novo Centro de Inovação e Tecnologia da Ambev

Faça uma análise sobre inovação na indústria de bebidas. Qual nossa situação atual? Quais caminhos você indicaria?

Antes de mais nada é importante citar que hoje a cerveja é discutida, estudada, está nas universidades, sendo foco de teses e debates. E a inovação cervejeira faz parte deste processo. Ainda mais se observarmos que a cerveja é das mais democráticas bebidas que existem. Novos insumos, ingredientes, receitas e técnicas surgem a cada minuto e em qualquer parte do mundo. Nesse momento alguém pode estar criando uma nova forma de fazer um estilo ou um rótulo e virar tendência. A meu ver, o mais importante é estar conectado com o gosto e as necessidades do consumidor e se antecipar às suas expectativas.

Deixe seu comentário