Mantendo o ritmo

Cervejarias artesanais driblam a crise com investimento em inovação, marketing e conhecimento

Por Carlos Donizete Parra

Copo e lupuloAs cervejas artesanais continuam movimentando o mercado de bebidas alcoólicas no Brasil apesar da retração do consumo motivada pela crise econômica. As cervejarias inovam no lançamento de sabores diferenciados, novos estilos e na adição de ingredientes cada vez mais inusitados em suas receitas.
O setor passou de 120 cervejarias em 2010 para mais de 300 em 2015, com um faturamento de cerca de R$ 2 bilhões por ano e um crescimento anual de 20% a 30% no volume produzido nos últimos cinco anos.
Tanto na criatividade das receitas, quanto na velocidade de crescimento de novas empresas, o setor de cervejas artesanais no Brasil assemelha-se bastante com as craft beers americanas.
Por lá, num mercado já consolidado, a Brewers Association define craft brewer como um fabricante de cerveja pequeno (produção de seis milhões de barris ou menos anualmente), independente (dono de pelo menos 25% do negócio) e tradicional (a maior parte do volume produzido tem que ser cerveja pelo método tradicional de fermentação).
Por aqui, a situação econômica impôs desafios e muitas limitações para o crescimento do setor, no entanto, as empresas estão driblando a crise com investimentos em inovação, marketing e conhecimento.
Aos poucos, as cervejarias vão ganhando volume possibilitando o aumento da capacidade produtiva e a melhoria dos processos industriais.
Mais e mais empresas avançam na automação da produção com ganhos representativos de produtividade e padronização dos produtos.
Com o objetivo de conquistar cada vez mais consumidores e manter a rentabilidade, as empresas continuam investindo no lançamento de novos produtos e em ações de fidelização. A hora agora é das cervejas de inverno e vários produtos novos já estão presentes nos pontos de vendas e nas lojas de fábricas em todo o país.

Dama Smoked PorterDelícias de inverno

A chegada do inverno com suas baixas temperaturas é um bom motivo para o lançamento de cervejas mais encorpadas e de estilos apropriados para esta estação.
A Dama Bier trouxe de volta a Dama Smoked Porter, uma sazonal de estilo tradicionalmente inglês, onde os americanos resolveram colocar algo a mais na receita e adicionaram malte defumado. Então, em 1988, foi produzida comercialmente a primeira Smoked Porter.
“Criamos esta receita em 2014 justamente pensando em trazer algo diferente do que nossos consumidores estão acostumados. Este ano produzimos 20% a mais, comparado ao ano anterior, de Dama Smoked Porter. É uma ótima cerveja para degustar nos dias mais frios e excelente para criar novas possibilidades de harmonização”, explica Renato Bazzo, proprietário da Dama Bier.
A Dama Smoked Porter apresenta sabores que vão do chocolate amargo, passando pelo torrado e chegando ao defumado, trazendo muita complexidade no sabor e aroma. São 45 IBUs e 6,5% de teor alcoólico. O rótulo harmoniza bem com feijoada, carnes grelhadas e sobremesas a base de chocolate.
A cerveja já conquistou quatro medalhas, ouro no South Beer Cup 2014, bronze no Concurso Brasileiro da Cerveja de Blumenau – 2014, bronze no Australian International Beer Awards -2016 e prata no Concurso Brasileiro da Cerveja de Blumenau -2016.

Barley Wine de pinhão

A cervejaria Insana, de Palmas (PR), lançou no final de junho, no São Paulo Tap House a Insana Pinhão, que recebeu medalha de bronze no Concurso Brasileiro de Cervejas de Blumenau, em 2016.
Uma Barley Wine, com 8,5% de teor alcoólico e que utiliza pinhão orgânico da Araucária, iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI), de Santa Catarina.
Para esta edição foram envasadas 45 mil garrafas, que têm como destino principalmente os mercados de São Paulo, Rio de Ja-neiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Cerca de 800 kg de pinhão provenientes do planalto serrano de Santa Catarina foram utilizados na cerveja.
Criada em homenagem ao estado do Paraná, a Insana Pinhão tem aromas doces, alcoólicos e amadeirados, com uma leve lembrança de pinhão cozido.
“No ano passado, quando aderimos ao Araucária, tivemos um aumento de 120% nas vendas da cerveja comparando com 2014. Esse grande aumento nas vendas confirma que o consumidor valoriza a redução do impacto no meio ambiente, por isso esse ano continuaremos com a parceria”, comenta Pedro Reis, proprietário da cervejaria Insana.
Way BeerO objetivo dessa parceria é conservar a floresta agregando valor aos produtos extraídos dela, como é o caso do pinhão, que é a semente da araucaria. A iniciativa beneficia os produtores que seguem o padrão sustentável indicado, que inclui orientações de coleta das pinhas, entre outras ações.
Guilherme Karam, coordenador de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário, explica que a iniciativa atua na cadeia produtiva do pinhão.
“Os produtores que se comprometem a seguir os padrões sustentáveis, como não realizar queimadas nem extrair as pinhas verdes, recebem cerca de 30% a mais pelo quilo do pinhão, além de contribuir para a redução do impacto gerado nas florestas nativas. É uma lógica em que todos saem ganhando”, completa Karam.
Outra medida importante citada por Karam é que os produtores devem deixar 20% das pinhas nos pinheiros para não prejudicar a disponibilidade de pinhão para aves e roedores. Essa atitude também permite a regeneração natural da floresta.

Marketing

Investir em marketing é uma necessidade para todas as empresas que comercializam algum tipo de produto. Com uma verba infinitamente inferior ao das grandes cervejarias, mas com uma boa dose de criatividade, as cervejarias artesanais fazem um enorme barulho com suas festas e festivais espalhados pelo Brasil afora. Essas ações têm, normalmente, um foco bem regional, mas de toda forma é importante que as empresas conheçam muito bem seus consumidores afim de maximizar o retorno de vendas e de marketing. Esses eventos ganham força porque “contam uma história” ao consumidor, levam uma experiência que vai ficar para sempre na memória. Daí a importância no planejamento e execução.
No mercado de cerveja os eventos já são muito bem explorados pelas grandes empresas. Os rodeios e shows sertanejos ainda são aqueles que recebem boa parte dessa verba. O rodeio de Barretos, por exemplo, recebe mais de 1 milhão de pessoas e a média de venda de cervejas nesses locais é de 1 lata por pessoa, tanto que esses eventos representam de 1% a 2 % de market share do mercado cervejeiro no Brasil. É, portanto, um execelente meio de divulgação e venda de cerveja e que está sendo muito bem utilizado em suas devidas proporções pelas cervejarias artesanais.
Em Santa Catarina, a Cervejaria Schornstein realizou, recentemente, a primeira edição do Schornstein Festival. Nem o frio e nem a chuva foram suficientes para prejudicar o festival, que recebeu um público de aproximadamente 3 mil pessoas, em Pomerode (SC), cidade natal da Cervejaria. Seis bandas, 18 opções gastronômicas e os chopes da cervejaria foram combustível para a animação do evento.
Paralelamente ao evento, a Shornstein inaugurou sua nova fábrica com capacidade produtiva de 300 mil litros por mês.
canecaJunto à fábrica, a cervejaria inaugurou também a primeira loja oficial, chamada de Armazém Schornstein. Além das cervejas da marca, o espaço comercializa souvenires e outros itens ligados à gastronomia.
Com produção atual acima de 100 mil litros de cervejas por mês, a Schorstein é uma das pioneiras no mercado de cervejas artesanais no Brasil. Fundada em 2006 em Pomerode, a empresa possui centro de produção também em Holambra (SP).

Festa Junina

Seguindo na linha de eventos, a Way Beer realizou em junho sua festa junina com tudo que esse típico evento tem direito, muita pipoca, tiro ao alvo, pescaria, correio elegante, pinhão, pamonha, música, fogueira e como não podia faltar muita cerveja artesanal. Isso tudo na própria fábrica da cervejaria, no Paraná. A banda Charme Chulo, um dos destaques do cenário musical paranaense, comandou a festa durante o evento.
A cervejaria ofereceu mais de 15 rótulos de sua linha de cervejas, com doses de 300ml custando a partir de R$ 8, entre elas Premium Lager, Summer Ale, American Pale Ale, Avelã Porter, Red Ale, Amburana Lager, Die Fizzy IPA, Brett IPA, Witbier, Double APA e outras. A Way Beer disponibilizou, também, os seus recém-lançados Growlers com vários rótulos e a novidade que é o chope na Jarra.

2 comentários

  • Antonio Sergio Biagiotti disse:

    Nos, micro cervejeiros artesanais, nem podemos sonhar em aumentar a produção por conta da elevadíssima carga tributária.
    Haveremos de buscar uma solução onde os micro pagam menos ou não pagam impostos por uma produção e comercialização diminuta.
    Favor dar ênfase nesse assunto nas próximas edições.

    BIAGIOTTI ( MocBeer)

    • Engarrafador Moderno disse:

      Boa tarde, Antonio Sergio!
      Agradecemos por sua visita ao Portal da Revista Engarrafador Moderno e também pelo comentário sobre a matéria.

Deixe seu comentário