O futuro começa agora

Um novo conceito de produção vai transformar a indústria nos próximos
anos criando diferenciais competitivos consideráveis para seus seguidores

| CARLOS DONIZETE PARRA |

Quando se fala em Indústria 4.0 a primeira ideia que se tem é daqueles filmes de ficção científica com robôs espalhados por todos os lados comandando a fábrica toda. A ideia não está totalmente errada, mas não é só isso. Entre as principais funções do con-ceito de Indústria 4.0 estão o aumento da produtividade, flexibilidade, redução de custos e agilidade na produção e logística, aumentando a capacidade de transformação das empresas. Dessa forma, a transformação de uma fábrica de bebidas já existente em uma fábrica inteligente não se dá derrubando uma e construindo outra, esse processo deve acontecer passo a passo seguindo um planejamento de longo prazo com objetivos e metas definidos de acordo com as necessidades e possibilidades de investimento de cada empresa.

Assim, os objetivos serão alcançados sucessivamente, permeando na empresa a cultura da Indústria 4.0. As etapas vão sendo executadas uma a uma e a fábrica vai se modernizando sem sobressaltos que possam atrapalhar os resultados de curto prazo necessários para a sobrevivência dos negócios.

A indústria 4.0 teve origem na Alemanha, em 2011, e atualmente já é responsável pela maioria das decisões que ocorrem no chão das fábricas alemãs. O termo foi usado pela primeira vez na feira de Hannover e desde então o Governo alemão, pesquisadores e profissionais da indústria desenvolveram uma série de recomendações com o intuito de implementar a Indústria 4.0.

Outro país que puxa a fila dessa produção inteligente são os Estados Unidos, capitaneado em grande parte pela indústria automotiva, fortemente avançada no mercado americano.

O Brasil, como a maioria dos países do mundo, ainda corre atrás para tirar um atraso que, segundo especialistas, deve ser de mais ou menos 8 a 10 anos. Apesar disso, as tecnologias digitais despontam como um caminho fundamental para que a indústria brasileira obtenha melhores níveis de produtividade.

Produtividade

A implementação da Indústria 4.0 surge para o Brasil como uma boa notícia, um lampejo de esperança para um país que nos últimos anos vem amargando quedas consecutivas de produtividade, ficando quase em último no ranking mundial, com índices menores que alguns de nossos vizinhos de continente. Nossa produtividade é menor que a média dos países desenvolvidos e também dos emergentes. A queda já se arrasta desde a década de 1970, tendo como fatores principais para isso a péssima infra-estrutura do país, um sistema tributário improdutivo, uma legislação trabalhista rígida e retrógrada, gerando como saldo um ambiente de negócios nada atrativo e, portanto, baixo nível de investimento de capital estrangeiro. O estudo elaborado pela IMD, escola suíça de negócios, desde 1989, mostra que nos últimos cinco anos o Brasil caiu cinco posições passando para 61a posição, à frente apenas da Mongólia e Venezuela. Com excessão do Chile que subiu uma posição no ranking e agora ocupa a 35a posição todos os países da América Latina tiveram queda, influenciados pela crise econômica e pela ineficiência dos Governos.

Tecnologias da Indústria 4.0

Um novo conceito de produção começou a ser formado quando a indústria passou a utilizar a digitalização em suas operações industriais. A automatização já fazia parte dessas fábricas e a interação dessas duas ferramentas com a Internet das Coisas(IoT) deu o impulso que o setor industrial precisava para iniciar a maior revolução já vista desde as máquinas a vapor.

Essa interação permite a conectividade entre máquinas, pessoas e produtos. Por meio de sensores, produtos e máquinas trocam informações durante o processo industrial. Dados são gerados, compartilhados e imediatamente transformados em comandos que geram informações inteligentes armazenadas em nuvem e, sucessivamente, isso vai acontecendo de tal forma a comandar toda uma operação fabril. Isso é possível graças a utilização de softwares que integram essas linhas de produção criando as fábricas inteligentes. È o futuro da indústria cada vez mais próximo do nosso presente.

Industrial internet of things and industry 4.0 concept. Abstract blue background of technology graphic and automation wireless control robotic machine in smart factory with flare light effect.

Segundo relatório do BCG (Boston Consulting Group), as principais tecnologias da indústria 4.0, determinantes da produtividade e crescimento das indústrias são:

1 Robôs autonômos: além das funções atuais, são capazes de interagir com outras máquinas e com os humanos, tornando-se mais flexíveis e cooperativos.

2 Manufatura aditiva: produção de peças, por meio de impressoras 3D, que moldam o produto por meio de adição de matéria-prima, sem o uso de moldes físicos.

3 Simulação: permite operadores testarem e otimizarem processos e produtos ainda na fase de concepção, diminuindo os custos e o tempo de criação.

4 Integração horizontal e vertical de sistemas: sistemas de TI que integram uma cadeia de valor automatizada, por meio da digitalização de dados.

5 Internet das coisas industrial: conectar máquinas, por meio de sensores e dispositivos, a uma rede de computadores, possibilitando a centralização e a automação do controle e da produção.

6 Big Data e Analytics: identifica falhas nos processos da empresa, ajuda a otimizar a qualidade da produção, economiza energia e torna mais eficiente a utilização de recursos na produção.

6 Nuvem: banco de dados criado pelo usuário, capaz de ser acessado de qualquer lugar do mundo, por meio de uma infinidade de dispositivos conectados à internet.

7 Segurança cibernética: meios de comunicação cada vez mais confiáveis e sofisticados.

8 Realidade aumentada (Augmented Reality): sistemas baseados nesta tecnologia executam uma variedade de serviços, como selecionar peças em um armazém e enviar instruções de reparação por meio de dispositivos móveis.

Deixe seu comentário