Inovação e conhecimento no Beverage Day

Fábrica de Bebidas do Futuro supera expectativas
na quantidade e qualidade dos participantes

Carlos Donizete Parra

Evento realizado em novembro, em São Paulo, superou as expectativas tanto de público quanto na qualidade dos participantes. CEOs, diretores, gerentes e supervisores das principais empresas fabricantes de bebidas do país compartilharam experiências e conhecimentos num ambiente informal e agradável.

O Beverage Day teve como tema central A Fábrica de Bebidas do Futuro e logo de cara tratou de desmistificar a Indústria 4.0 mostrando que as soluções diponíveis podem ser utilizadas por todas as empresas independente do tamanho e da quantidade de investimento disponível. As soluções podem ser aplicadas imediatamente dentro das fábricas de bebidas contribuindo para redução do consumo de energia elétrica e água, além de aumentar a eficiência e a flexibilidade das operações. Mauro Sandri, da Zorfatec Inovação apresentou os conceitos desse novo sistema de manufatura e os primeiros passos para sua implementação na palestra Desmistificando a Indústria 4.0.

“Uma das principais características da Indústria 4.0 é que o custo de operação dela é bem menor do que de uma empresa normal”, diz Mauro Sandri, Zorfatec Inovação

Mauro Sandri mostrou as tecnologias que sustentam a quarta revolução industrial e suas oportunidades para os fabricantes de bebidas. Também definiu alguns termos que são normalmente utilizados pelos profissionais da área, como:

IoT – Internet das Coisas (do inglês,Internet ofThings) refere-se exclusivamente aos objetos identificáveis (coisas) e suas representações virtuais em uma estrutura de Internet.

M2M – é a comunicação de máquina para máquina, sem interferência humana.

Cloud Computing – é a capacidade de computação infinitamente disponível e flexível na Internet (Nuvem).

Big Data – é o termo que descreve o imenso volume de dados – estruturados e não estruturados – que impactam os negócios no dia a dia.

Data Analytics – é o trabalho analítico e inteligente de grandes volumes de dados, estruturados ou não-estruturados, que são coletados, armazenados e interpretados por softwares de altíssimo desempenho.

Digitalização

“Precisamos ser mais produtivos, satisfazer os altos níveis de complexidade exigidos pelos consumidores, além de vencer aspectos regulatórios, de aumento de custos e de escassez de recursos”, diz Marcello Gulinelli, Head de Aplicações para Alimentos e Bebidas da ABB

Na palestra Ganhos na Aplicação da Indústria 4.0 / Digitalização na Indústria de Bebidas, Marcello Gulinelli, Head de Aplicações para Alimentos e Bebidas da ABB, procurou alinhar as necessidades das fábricas de bebidas com as soluções tecnológicas já disponíveis no Brasil e que podem ser imediatamente implantadas auxiliando essas empresas nas operações do dia a dia e num planejamento para o desenvolvimento de uma fábrica de bebidas sustentável e tecnologicamente preparada para o futuro. Marcello “provocou” os participantes quanto a necessidade de saber o porquê de tomar certas decisões no ambiente fabril. Segundo ele, em 2020 seremos cerca de 8 bilhões de pessoas no Planeta e o desafio de fornecer alimentos e bebidas para todas essas pessoas é imenso. Precisamos ser mais produtivos, satisfazer os altos níveis de complexidade exigidos pelos consumidores, além de vencer aspectos regulatórios, de aumento de custos e de escassez de recursos. E, então, perguntou: Por que digitalizar? Porque é uma tecnologia fundamental para que as indústrias de bebidas e alimentos possam entregar seus produtos com qualidade, flexibilidade e baixo custo. Isso tudo obtendo lucro e, portanto, possibilitando a prosperidade dos negócios. Essas tecnologias são necessárias, portanto, para colocar a indústria no caminho da competitividade e da sustentabilidade dos negócios.

Entre as centenas de soluções disponibilizadas pela ABB, Gulinelli falou sobre o Smart Sensor, um sensor inteligente para motores de baixa tensão. O produto pode ser utilizado em motores de qualquer fabricante, antigos ou novos. Reduz tempos de parada em até 70% e aumenta, em até 30%, a vida útil do ativo. Monitora e informa, via wireless, os parâmetros de saúde dos componentes do motor, tais como vibração, temperatura, sobrecarga, frequência e rotação.

Fácil de ser instalado e manuseado, o Smart Sensor possibilita a entrada das indústrias na era da Indústria 4.0. Pode ser usado por empresas de qualquer porte, garantindo redução de custos com manutenção e evitando paradas de produção não programadas, tornando as empresas mais competitivas no cenário atual.

Sensor inteligente para motores de baixa tensão

Os dados são analisados por um software, também desenvolvido pela companhia. O operador pode acessar todos os dados captados através do aplicativo de mesmo nome, através de um smartphone ou outro dispositivo móvel. As informações chegam de hora em hora e acessando diretamente o portal do produto, o operador tem acesso aos gráficos e informações necessárias para o planejamento de manutenção e gerenciamento remoto.

Potencial dos destilados

“Como primeiro produto, optei por um gim seco e artesanal com ingredientes que pudessem, também, retratar a identidade brasileira”, diz Felipe Jannuzzi, Mapa da Cachaça

Saindo um pouco da Indústria 4.0, mas com foco no futuro das fábricas de bebidas, Felipe Jannuzzi falou sobre Inovação em destilados. Ele já percorreu todo o Brasil com o Projeto Mapa da Cachaça e visitou mais de 400 alambiques conhecendo os desafios e a cultura da genuína bebida brasileira. Os números da cachaça impressionam: são 4 mil empresas formais, 40 mil informais, geração de 600 mil empregos, uma produção de 1,7 bilhão de litros/ano distribuídas por 4124 marcas de cachaças fabricadas em praticamente todos os estados do País. Segundo Jannuzzi, a cachaça vem vencendo todos os preconceitos e ampliando sua participação no mercado com o lançamento de produtos premium que retratam a cultura local de onde a cachaça é produzida. Isto está sendo traduzido em investimentos em tecnologia, regulamentação, qualidade, comunicação, serviço e distribuição.

Depois de todas as suas andanças, Felipe Jannuzzi resolveu lançar um produto próprio fazendo a opção por um gim tipicamente brasileiro, com métodos de produção e receita diferenciados. Entre os ingredientes destaque para a pacova, popularmente chamada de babosa de árvore ou babosa de pau, muito usada pelos brasileiros para decoração de jardins mas que também possui espécies para fins alimentícios. Com isso, Jannuzzi pretende mostrar o enorme potencial dos destilados no Brasil e contribuir para expansão desse mercado tanto no país como no exterior. Para o lançamento, Jannuzzi se preocupou também com uma embalagem que pudese retratar todas as características e diferenciais da bebida. Segundo Felipe é importante agregar valor ao produto e entender o que o consumidor quer realmente. A opção escolhida foi o modelo Moonea, da Selective Line, linha premium de embalagens fabricada pela Verallia. “A embalagem do Virga Gim apresenta um design diferenciado que confere a elegância que gostaríamos de proporcionar ao produto”, garante Felipe Jannuzzi.

“A filtração a frio substitui com vantagens a pasteurização. Melhora a estabilidade da cerveja, além de reduzir o consumo de água e energia”, diz André Trombe, gerente de desenvolvimento de mercado de cerveja para América Latina da Pall do Brasil

Melhora o sabor e estabilidade da cerveja

Em outro tema, esse mais dirigido à tecnologia, André Trombe, gerente de desenvolvimento de mercado de cerveja para América Latina da Pall do Brasil, falou sobre A Substituição da Pasteurização pela Filtração a Frio, solução que pode ser aplicada em indústrias de cerveja, suco, laticínios, água mineral e outros tipos de bebidas. A tecnologia reduz o consumo de energia, água e tempo de operação.

Durante a apresentação, André Trombe explicou o conceito do processo realizado pelo equipamento e detalhou a operação do mod. CFSNeo que garante a estabilidade da cerveja, melhorando sua qualidade e proporcionando maior tempo de prateleira ao produto.

Mudanças constantes

“A transparência é um elemento essencial para nossa empresa, além de fatores como a qualidade, tecnologia e inovação”, diz Luiz Franzotti, presidente da Bebidas Poty

Líder de mercado em sua região, a Bebidas Poty é referência em qualidade no setor brasileiro de refrigerantes. A palestra que fechou o período da manhã foi realizada por José Luiz Franzotti, presidente da empresa, que falou sobre Como Liderar Mudanças Significativas em um Mundo Complexo e em Constantes Transformações. Ele abordou questões fundamentais para uma boa gestão empresarial como governança corporativa, tributação e sustentabilidade. Especificamente sobre sustentabilidade, José Luiz destacou o sucesso do processo de logística reversa da Poty: a empresa realiza o processo em 100% das suas embalagens. Foi criada uma empresa, a Poty Ambiental, exclusivamente para gerenciar o processamento e destinação dos resíduos da fábrica de bebidas e o resultado financeiro já a torna auto-suficiente. A transparência foi outro item bastante ressaltado pelo empresário, destacando que essa é uma prática da Poty, independente da redução das margens de rentabilidade.

Evolução tecnológica

“A customização é uma exigência do consumidor atual. As empresas terão que investir em tecnologia para satisfazer esse desejo do consumidor”, diz Paulo Villas, diretor técnico da Coca-Cola Indústrias

O diretor técnico da Coca-Cola Indústrias, Paulo Villas, responsável por 41 fábricas no Brasil, falou sobre Indústria de Bebidas x Drinktec: Superando Desafios através da Inovação e Tecnologia. Villas mostrou que a customização é um fator fundamental para ser competitivo no mercado e as indústrias de bebidas terão que se adequar para satisfazer esse desejo do consumidor. A segurança alimentar também é outro tema vital para o mercado. Entre as novidades apresentadas na Drinktec, o executivo falou que há oportunidades interessantes em preformas multicamadas, em tampas plásticas e outras embalagens. Chamou a atenção dos participantes para o conceito Bottling on Demand, apresentado pela Krones, composto por uma combinação de enchedora, máquina de impressão direta e transportadores inteligentes. Um conceito que vem de encontro às necessidade das indústrias nos aspectos de flexibilidade e agilidade, produzindo lotes menores e customizados. Citou como exemplo a produção de lotes para datas especiais como aniversários, festas e outros acontecimentos que demandam produtos diferenciados e personalizados. Também citou o sistema que enche e tampa num só processo, assim como outro equipamento que sopra, forma a garrafa e enche no mesmo processo. Diversos outros lançamentos foram comentados pelo executivo da Coca-Cola que ressaltou ser imprescindível acompanhar as evoluções tecnológicas para se manter competitivo no mercado.

Gestão de qualidade

“A Fruki sempre acreditou no talento de seus colaboradores para desenvolver uma empresa melhor para todos, com produtos de qualidade e que possam perpetuar os negócios da empresa”, diz Nelson Eggers, diretor presidente da Bebidas Fruki

Nelson Eggers, diretor presidente da Bebidas Fruki, abordou o tema Os Desafios da Liderança e da Sucessão. Plano Estratégico de Crescimento com Foco na Qualidade. Em uma palestra descontraída e cheia de história, Nelson Eggers fez um breve relato da trajetória de sua família e da fundação da Fruki em 1924. De lá para cá, a empresa inaugurou uma nova unidade e vários centros de distribuição, e viu a empresa e seus produtos serem premiados por boas práticas de fabricação, gestão, qualidade e outros tantos fatores. O executivo falou sobre a importância da governança corporativa numa empresa familiar e como esse processo está sendo conduzido na Fruki, além dos desafios de crescimento em um ´mercado altamente competitivo. A Fruki está iniciando os preparativos para construção da segunda unidade fabril. O terreno já foi comprado em Paverama (RS) e as obras terão início em breve. A ideia é ampliar a área de atuação e seguir no caminho de perpetuação da empresa, sempre fabricando produtos com excelência de qualidade e mantendo a filosofia de uma empresa que investe no futuro de seus colaboradores e de sua comunidade.

Novas bebidas

“Os consumidores querem produtos saudáveis, nutritrivos e que entreguem uma experiência sensorial única”, diz Jane Vieira, gerente de marketing da Döhler América Latina

Um Tour pelo Mundo das Bebidas Inovadoras foi o tema da palestra de Jane Vieira, gerente de marketing da Dohler América Latina na penúltima apresentação do dia. A executiva da Döhler falou sobre as principais tendências que movimentam o setor de bebidas e as soluções que a empresa oferece ao mercado. Jane Vieira citou a naturalidade dos alimentos e bebidas como uma das tendências mais importantes na percepção do consumidor atual, além da nutrição, experiência sensorial e segurança alimentar. Os participantes fizeram, realmente, um tour por diversos tipos de bebidas através da degustação de iogurtes, refrigerantes, cervejas entre outras. A executiva ainda falou sobre o cold brew coffee, isotônicos, energéticos, sucos e diversos tipos de destilados.

“As indústrias precisam investir em tecnologia e capacitação dos profissionais pra se manterem competitivas no mercado”, diz Gustavo Assoni, Cervejaria Ravache

Gustavo Assoni, da Cervejaria Ravache e Marcus Vinícius Dapper, da Dama Bier falaram sobre O Poder da Transformação e o Movimento que vem das Artesanais.
Os mestres cervejeiros mostraram os procedimentos que utilizam para tornarem seus produtos conhecidos e atrativos no mercado cervejeiro.

Também falaram sobre o crescimento do setor e as oportunidades que ainda estão por vir. Por fim, citaram que um dos grandes desafios para as cervejas artesanais continua sendo os altos tributos pagos pelas empresas

Não existe nenhum incentivo para investimentos e a concorrência com as grandes cervejarias é predatória.

“As vendas de cervejas artesanais seguem crescendo mesmo com a crise econômica. Mas, a tributação é muito alta e injusta paa os fabricantes”, diz Marcus Dapper, Cervejaria Dama Bier

Apesar disso, já são mais de 600 cervejarias instaladas no Brasil e os números não param de crescer. As vendas de cerveja artesanal continuam aumentando mesmo com a crise econômica. No entanto, segundo os profissionais da Dama Bier e Ravache, é preciso que as cervejarias invistam em tecnologia e conhecimento para se manterem competitivas no mercado.

Happy hour

Ao final do dia os participantes foram convidados para um happy hour onde puderam relaxar e degustar cervejas de vários estilos produzidas pela Ravache e Dama Bier, além de algumas cervejas fabricadas pela Dohler com ingredientes diferenciados, exclusivamente, para o evento.

Outra atração foram os coquetéis servidos com Virga Gim, especialmente preparados por um bartender trazido pela fabricante da bebida. A Pitú também disponibilizou a Cachaça Vitoriosa para degustação. A Vitoriosa é uma cachaça extra premium envelhecida cinco anos em barris de carvalho francês. Um encerramento com chave de ouro para troca de informações e network.

Deixe seu comentário